xanax 2mg buy online xanax 2mg xanax ladose

can ambien cause shaking buy ambien ambien taken with melatonin

ambien nightmares ambien drug can you take ambien cr while pregnant

dr olivera phentermine buy phentermine phentermine quick weight loss

how often can you take ambien cr buy ambien how to reach ambience mall gurgaon by metro

ultram cross tolerance buy ultram taking ultram with zoloft

how soon can you get ambien refilled buy ambien online can neurontin be taken with ambien

xanax xr oral side effects xanax 1mg sudafed and xanax

buy ativan now buy ativan pic d'action ativan

onset and peak of xanax xanax depression usual xanax dosage

Ativistas realizam ato em SP para homenagear Marighella

Ativistas realizam ato em SP para homenagear Marighella

Ativistas realizam ato em SP para homenagear Marighella

Ativistas de direitos humanos, ex-presos políticos e parentes de vítimas da repressão militar participam de uma homenagem a Carlos Marighella, o comandante da Ação Libertadora Nacional (ALN), organização de resistência à ditadura, nesta quarta, 4, às 10h, em frente ao número 815 da alameda Casa Branca, nos Jardins, zona sul da capital paulista.

No local, há 46 anos, no dia 4 de novembro de 1969, forças da ditadura militar fuzilavam, em uma emboscada liderada pelo delegado-torturador Sérgio Paranhos Fleury, o comunista Carlos Marighella.

Considerado pelos militares o inimigo número um da ditadura, o baiano de Salvador, além do ativismo político também incomodava o regime com a caneta. Desde jovem escrevia poemas com denúncias sociais. Um deles lhe causaria sua primeira prisão no início da década de 1930, durante o governo de Getúlio Vargas.

Filho de um operário italiano e neto de escravos por parte de mãe, uma baiana negra, Marighella enfrentou as adversidades com determinação. Tinha no sangue a indignação e a valentia para a luta.  Não hesitou em comandar a resistência armada quando houve o fechamento do regime. É de sua autoria o livro Mini Manual do Guerrilheiro Urbano, publicado pouco antes de sua morte, com orientações de como agir no combate à ditadura.

Reconhecimento

O governo Dilma oficializou sua anistia post mortem e o Estado brasileiro reconheceu sua responsabilidade na execução do dirigente da ALN. Todo ano, em 4 de novembro, também é realizada uma homenagem na calçada da alameda Casa Branca em frente ao monumento em pedra, erguido no local onde ele foi executado a tiros, para relembrar sua morte.

Esta semana, ativistas repetem a solenidade e reforçam a cobrança pela punição dos torturadores e assassinos que agiram sob a proteção do governo militar. Eles vão lembrar que no último dia 15, o comandante do DOI-Codi paulista, o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido torturador pela justiça e pela Comissão Nacional da Verdade, faleceu sem pagar pelos crimes que cometeu. Durante seu comando à frente do DOI-Codi foram mortos sob tortura pelo menos 45 presos políticos.

Os ativistas também vão rechaçar a homenagem feita pelo Exército ao coronel, no final de outubro, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Eles consideram o ato um insulto contra as vítimas de Ustra e seus familiares.

Caros Amigos - Lúcia Rodrigues

Daniela Lucatto

Close
Close

Por favor informe seu Usuário ou endereço de email. Você receberá um email contendo informações para redefinir a senha.

Close

Close