aura soma familienstellen buy soma lianne soma

abrupt cessation of ambien buy ambien online apa obat tradisional ambien

taking cymbalta with tramadol buy tramadol how soon can you get tramadol refilled

regras soma e produto soma 350 mg randy sheets soma

mixing coffee and xanax buy xanax is there a blue round xanax

can't sleep on valium diazepam 5mg difference between xanax valium klonopin

soma pub concepcion order soma online se a soma dos angulos internos de todas as faces de um prisma

paroxetine et tramadol buy tramadol ulotka tramadol krople

valium in deutschland kaufen valium online buy diazepam Birmingham

how does ambien work best buy ambien ambien on the streets price

Haddad quer retirar ‘punição’ dada para servidora que engravida

Haddad quer retirar ‘punição’ dada para servidora que engravida

Haddad quer retirar ‘punição’ dada para servidora que engravida

O prefeito Fernando Haddad (PT) enviou para a Câmara Municipal na semana passada um projeto de lei que dá seis meses de licença-maternidade para as servidoras em estágio probatório – período de três anos de experiência obrigatório antes de adquirir a estabilidade – sem descontar os dias da funcionária. O que muda na prática é que elas não terão os dias de licença descontados como se estivessem fora do estágio, ou seja, poderão desfrutar da licença normalmente assim como já ocorre com as demais funcionárias públicas.

Hoje em dia caso elas engravidem durante o estágio probatório precisam repor os dias que ficaram ausentes cuidando do bebê. Pelo texto, Haddad diz que fazer isso acaba “ocasionando atraso no seu desenvolvimento na respectiva carreira em relação às demais servidoras que ingressaram no mesmo concurso'', ressalta.

A ideia do prefeito é mudar essa lei e dar o benefício de 180 dias para todas as servidoras, mesmo em início de carreira. Se o texto for aprovado pelos vereadores, também está previsto a licença-paternidade e a licença-adoção, também chamada de guarda, para os servidores durante o estágio probatório.

O projeto de lei foi encaminhado à prefeitura por iniciativa da Artemis (ONG que defende os direitos das mulheres), que move uma ação contra o governo estadual justamente por descontar a licença-maternidade das servidoras durante o  estágio probatório.

A ONG conta que conseguiu chamar à atenção do prefeito sobre o assunto com a ajuda da vereadora Juliana Cardoso (PT) e do secretário de Direitos Humanos da prefeitura, o ex-senador Eduardo Suplicy.

No início do ano, conforme reportagem do jornal Estadão, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) moveu uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) no (STF) Supremo Tribunal Federal na qual defende que as servidoras tenham que repor os dias que ficaram fora do estágio para cuidar do bebê. O STF ainda não se pronunciou sobre a questão.

Para a Artemis, a decisão do governador é discriminatória com as mulheres já que os homens em estágio probatório têm direito a licença-paternidade sem ter os dias descontados.

Fonte: Blog Mães de Peito - Giovanna Balogh

 

Daniela Lucatto

Close