ativan overdose symptoms ativan drug can you take ativan and midol

para que es el tramadol con ketorolaco order tramadol online cod skillnad pГҐ tramadol hexal och actavis

what is good about phentermine phentermine online phentermine hydrochloride diethylpropion and phendimetrazine tartrate

comprimidos de tramadol tramadol 50mg tramadol as strong as vicodin

tramadol hcl 50 mg amneal tramadol no prescription can i take ibuprofen with tramadol and gabapentin

ambien cvs price buy ambien online ambien online purchase

does tramadol cause addiction order tramadol difference between tramadol vicodin

tramadol for suboxone detox buy tramadol online how long does it take for tramadol addiction

xanax tensiune xanax for anxiety highest prescribed dosage xanax

soma agricola ipameri buy soma como fazer soma no excel 2011

NOTA DE REPÚDIO

NOTA DE REPÚDIO

NOTA DE REPÚDIO

NOTA DE REPÚDIO À EXTINÇÃO DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES E DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DE SÃO PAULO

 Nós, mulheres, movimentos, organizações e entidades abaixo assinadas, repudiamos a decisão do Prefeito eleito da Cidade de São Paulo, João Dória Jr., de extinguir a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres da Cidade de São Paulo (SMPM) e a Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR), criadas em 2013, pela Lei Municipal nº 15.764, aprovada na Câmara de Vereadores. Esta decisão é um grande e irreparável retrocesso frente às conquistas que os movimentos de mulheres e antirracistas alcançaram após anos de luta.

A SMPM e a SMPIR representam símbolos de compromisso da administração municipal com as lutas das mulheres e da população negra por uma sociedade menos desigual, mais justa e livre de violência e violações de direitos.

Ao longo dos últimos anos no Brasil e no mundo Organismos de Políticas para as Mulheres - OPM´s tem sido implantados, seja em nível internacional como a ONU Mulheres da Organização das Nações Unidas, seja em nível nacional como a SPM e o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, ou nos municípios e estados por meio de Secretarias de Políticas para as Mulheres, o que demonstra a relevância do tema a ser assumido como uma responsabilidade de Estado. Estamos no ano de 2016 e, portanto completando 10 anos de promulgação da Lei Maria da Penha, porém se não houver o fortalecimento da rede de serviços de enfrentamento a violência contra a mulher - e isso se faz com recursos humanos, tecnologia e orçamento adequado - a lei não será exitosa e não terá impactos positivos na vida das mulheres. Ademais as políticas para as mulheres são transversais, pois afetam a população  que compõe o tripé estruturante da desigualdade social: gênero, raça e classe, e desta forma abrangem ações na área da autonomia econômica, participação social e política, entre outras. Por isso a manutenção da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial - SMPIR e da SMPM - Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, garantindo condições para  a execução do I Plano Municipal de Políticas para as Mulheres, se faz fundamental para avançarmos rumo a maior inclusão e equidade de gênero e raça na cidade de São Paulo.

Nós mulheres e negras e negros paulistanos estamos ainda longe de experimentar plenamente a igualdade de direitos. Somos menos de 15% das representantes eleitas em todo o Brasil, tanto nos executivos quanto nos legislativos; ganhamos 30% menos do que os homens para executar o mesmo trabalho - para as mulheres negras essa diferença chega ao absurdo de 70% segundo dados do painel Observa Gênero. Ainda sofremos violências das mais diversas formas - sexual, obstétrica, física, psicológica - e lugares, dentro de nossas casas, nas ruas, no transporte público, no nosso ambiente de trabalho. Bem como somos vítimas do racismo estrutural e institucional que nos impõe discriminações, violências múltiplas e o genocídio de nossa juventude.

Durante seus quase quatro anos de existência, a SMPM e a SMPIR têm sido importantes instrumentos no enfrentamento às desigualdades estruturantes vivenciadas pelas mulheres e a população negra, que produzem, no cotidiano, situações permanentes de violação de direitos, opressão, superexploração e violência.

A existência da SMPM e da SMPIR e a garantia de estrutura e orçamentos próprios e compatíveis com a promoção de direitos de mais de 52% da população paulistana tem suma importância na garantia de direitos das mulheres e da população negra. A criação das política públicas de gênero e promoção da igualdade racial na cidade de São Paulo possibilitou a ampliação de serviços especializados no enfrentamento à violência contra as mulheres - com a abertura de um novo CRM (Centros de Referência da Mulher) na Zona Leste, uma Casa de Passagem na Vila Mariana e outra na Zona Norte que será inaugurada neste dia 13 de dezembro, a implantação do programa Guardiã Maria da Penha, a criação de Fóruns Regionais de Políticas para as Mulheres e do Conselho Municipal de Políticas para as Mulheres que tem sua primeira eleição neste mês de dezembro. Além do Núcleo de Gênero e Sexualidades da Secretaria Municipal de Educação e do Centro de Referência de Promoção da Igualdade Racial na Vila Maria. Também foi a existência da SMPM que permitiu iniciar neste mês de novembro a construção da Casa da Mulher Paulistana e a assinatura do convênio com o governo federal para instalação da Casa da Mulher Brasileira na região central da cidade.

A manutenção de tais políticas exigem gestão especializada e incremento orçamentário, inclusive recompondo e ampliando a dotação que sofreu cortes no Projeto de Lei do Orçamento Municipal 2017 - pois faz uma diferença enorme em termos políticos e de gestão ter organismos específicos para pensar políticas para os segmentos mais vulneráveis, diferentemente de subordinar tais políticas a outras secretarias que não têm essa perspectiva específica.

Nos indignamos, também, que a decisão tenha sido tomada de forma arbitrária sem qualquer diálogo com o movimento social, feminista e antirracista e com as mulheres da cidade. A SMPM e a SMPIR são frutos de reivindicações históricas, e a sua extinção indica descompromisso da nova gestão municipal com a defesa dos direitos das mulheres e da população negra paulistana.

São Paulo, 02 de Dezembro de 2.016.

Assinam:

Vereadora Juliana Cardoso PT/SP

Sâmia Bomfim - Vereadora eleita pelo PSOL/SP

Isa Penna - 1ª suplente da Câmara Municipal de SP pelo PSOL/SP

Denise Motta Dau - Secretária - Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres

Rede Feminista de Juristas

MMM - Marcha Mundial de Mulheres

CIM - Centro Informação Mulher

Amelinha Teles - União de Mulheres de São Paulo

Graça Xavier - UMM/SP - União dos Movimentos de Moradia da grande São Paulo e interior

UNMP/Nacional - União Nacional por Moradia Popular

Raquel Moreno - Rede Mulher e Mídia

Mari Mata - Coletiva de Mulheres FemiSistahs

Luka Franca - Núcleo Impulsor de São Paulo da Marcha de Mulheres Negras

Priscila Vilela – Militante Feminista

Mariana Mazzini Marcondes

Secretaria Estadual de Mulheres do PT/SP

CUT - Central Única dos Trabalhadores

Sandra Mariano – Coordenação Nacional de Entidades Negras/CONEN

SindSaúde/SP

Ana Rosa - Conselho Municipal de Saúde

FETAM - Federação dos Trabalhadores na Administração e do Serviço Público Municipal no Estado de São Paulo

SINDSEP - Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo

Angélica Maria Cunha do Prado – Coletivo Fya Jam Dancehall SP

Assine você também enviando seu nome para o seguinte e-mail: julianacardosopt@camara.sp.gov.br

Daniela Lucatto

Close
Close

Por favor informe seu Usuário ou endereço de email. Você receberá um email contendo informações para redefinir a senha.

Close

Close