ulovio toma soma tekst buy soma soma e produto da equação de 2 grau

xanax Louisiana buy xanax taking xanax continuously

does ultram help with inflammation buy ultram ultram drug class schedule

mixing tramadol and vicodin high tramadol 50mg does tramadol relieve migraines

can i mix lorazepam and valium buy valium online valium doses for alcohol withdrawal

phentermine boost metabolism phentermine 37.5mg phentermine plasma donation

uses tramadol 50 mg tramadol 50mg difference between tramadol and tramadol hydrochloride

ambien online Hayward buy ambien online death ambien alcohol

tramadol 50mg cost order tramadol online about tramadol medication

valium bei schlafst¶rungen valium diazepam diazepam online Moreno Valley

Vereadora pede audiência pública para debater extinção das farmácias do SUS por Doria

Vereadora pede audiência pública para debater extinção das farmácias do SUS por Doria

Indicada para a comissão de Saúde, vereadora Juliana Cardoso (PT) protocolou pedido de audiência pública. "Doria quer fechar 574 farmácias, destruir empregos e passar R$ 240 milhões à rede comercial

A vereadora Juliana Cardoso (PT) protocolou ontem (6) na Câmara Municipal de São Paulo requerimento para a realização de audiência pública com objetivo de ouvir representantes de diversos setores e da população a respeito da proposta do prefeito João Doria (PSDB) de fechar as farmácias do SUS existentes nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da capital e transferir a distribuição de medicamentos para a rede comercial.

No último dia 31, o secretário municipal da Saúde Wilson Pollara alegou falta de condições de entregar remédios nas UBSs "porque é impossível competir com a rede logística das farmácias (privadas)". Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Pollara afirmou que "só para eu ter o estoque de remédios nas UBSs, tenho de ter um investimento de R$ 100 milhões. Sendo que esse remédio já está lá na prateleira da farmácia."

No dia 23 de janeiro, Doria e Pollara se encontraram com Antonio Carlos Pipponzi, vice-presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) e presidente do conselho da Raia Drogasil, gigante do setor. A assessoria de imprensa da pasta da Saúde confirma que a proposta está sendo discutida, mas não informou que setores estão participando da discussão.

juliana_cardoso.jpg"Doria quer fechar 574 farmácias, destruir mais de dois mil empregos e passar R$ 240 milhões às grandes redes de farmácias, implantando uma política de privatização da assistência farmacêutica e do SUS", critica a vereadora Juliana Cardoso.

O projeto é criticado também por estudantes de Farmácia. Na última sexta-feira, o Centro Acadêmico de Farmácia e Bioquímica da USP divulgou nota de repúdio, "uma vez que existem 116 AMAs e 66 UBSs espalhadas pela cidade de São Paulo atendendo diariamente milhares de pessoas por toda a cidade".  O colegiado considera que, "ao mudar o planejamento, as zonas periféricas da cidade serão as maiores impactadas, uma vez que as grandes redes de drogarias concentram-se nos bairros centrais, prejudicando o acesso e causando deslocamento desnecessário dessas populações para terem acesso aos equipamentos de saúde."

Na quinta-feira passada (2), ela protocolou ofícios na Secretaria da Saúde pedindo ao secretário Pollara a relação de empenhos e liquidações de aquisição de medicamentos referentes aos meses de janeiro de 2016 e 2017. A vereadora pediu também relatórios da realização de exames de ultrassom, tomografia, ressonância, ecocardiografia, mamografia, densitometria e eletrocardiograma nos meses de janeiro de 2016 e 2017.

Segundo a assessoria da parlamentar, chegam ao gabinete denúncias de que os processos de compra de medicamentos estão parados, levando ao desabastecimento.

No sábado, a vereadora esteve em assembleia realizada na capital pelo Sindicato dos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sinfar-SP). Participaram mais de 300 farmacêuticos e técnicos de farmácia, além de representantes dos movimentos sociais e de trabalhadores.

O presidente do Sinfar-SP, Glicério Maia, destacou que o projeto integra a política privatista que marca a gestão da nova prefeitura. "Direitos básicos não são privilégios. Há dois direitos básicos que são inalienáveis e que queremos defender, a liberdade de expressão e de manifestação e à Saúde."

Glicério disse ainda que, apesar de uma reunião realizada com o secretário Pollara, as perguntas continuaram sem resposta. "Houve o compromisso de que os profissionais não seriam demitidos, o que não nos convenceu".

Presidente da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) e do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Ferreira dos Santos disse que o momento é de mobilização para a defesa de direitos seriamente ameaçados por projetos em curso, como de extinção das farmácias do SUS em São Paulo. "Além do direito à saúde e à assistência farmacêutica, há uma ofensiva contra os direitos trabalhistas e a reforma da Previdência"

Segundo Ronald, a Constituição de 1988 definiu a saúde como direito de todos e dever do Estado. "Demoramos 14 anos para mostrar que, para garantir este direito, era preciso colocar o medicamento, o profissional farmacêutico e a farmácia num patamar diferenciado. Agora querem romper com a assistência farmacêutica e colocar tudo na mão do mercado, como se o mercado tivesse condições de atender as demandas do povo brasileiro, o que é uma grande mentira".

Close
Close

Por favor informe seu Usuário ou endereço de email. Você receberá um email contendo informações para redefinir a senha.

Close

Close